Acne: minha história parte 1

Olá

Hoje vou dividir com vocês a batalha e caminhada longa que nem sempre é bem vinda, uma caminhada com minha eterna amiga chamada “acne”. Acho que desde que entrei na adolescência eu tenho acne, eu não tenho acne como antes, mas, esporadicamente aparece uma “amiga”…

Eu posso fazer uma lista de produtos que já usei, e acho que seria do tamanho de uma folha A4, ainda bem que não é A3 né? Eu já usei todos os possíveis tipos de produtos para controlar acne, tirar manchas, controlar oleosidade, tratar hormônio, segurar oleosidade, secar espinhas, sabonetes, protetor solar x, y, z, tônicos, gel, cremes, enfim a lista é enorme.

Eu acho que um dos maiores medos de quem tem acne é tê-la como companheira pelo resto da vida. Eu não acredito que o processo de “cura” nos deixe 100% longe delas, mas posso afirmar que minha vida melhorou ao menos 99%. Hoje em dia quando tenho espinha, é resultante de “processos hormonais mensais”, mas não fico nervosa ou ansiosa, hoje em dia, eu não ligo.

Eu digo isso com calma e maturidade por que hoje tenho um “rosto branco”. Não consigo lembrar quantos anos da minha vida eu tive um rosto vermelho. Eu tinha acne – quarto ou quinto grau, eu não lembro ao certo, eu sei que era grave. Eu tinha um tipo de acne que eram “caroços” sem ponta, ou seja, eu não podia e nem tinha como espremer. E o problema maior é que eu ficava muito tempo com aquilo no rosto até diminuir, desinflamar e sumir. Vocês não têm noção do terror que era. E sim, eu tive no nariz, fiquei pelo menos uns dois meses parecendo um palhaço até porque meu nariz é batata.

Em relação às “cicatrizes” eu avalio em uma escala de 1 a 5, diria que entre 2,5 a 3, para essa avaliação pedirei ajuda dos amigos (tem alguém aí?). Digamos que eu tenho leves depressões no rosto, mas nada muito “mastigado” sabe?

De acordo com as dermatologistas a minha pele está ótima para quem teve acne no grau que eu tive e com cicatrizes mínimas. Provavelmente se deve ao fato da rotina diária: lavar com sabonete especial e depois protetor solar mínimo fps 30, hoje em dia uso fps 50 ou fps 60. Um pouco exagerada, mas prefiro, por que sei que se não passa uma quantidade relevante a proteção diminui pela metade então prefiro compensar.

Na minha “caminhada acnéica” eu usei todos os tipos de produtos, desde produtos naturais, cosméticos, dermocosméticos e medicamentos de todos os tipos, gêneros, graus e assim por diante. Eu não tenho fotos porque nunca foi um momento que eu quisesse registrar e fotos minhas atuais ao natural vocês pode ver no instagram.

O meu conselho é que se você está passando por este período, por favor, siga as orientações médicas e se você não se sente confortável com “seus médicos atuais”, tentem conversar sobre outros tratamentos, alternativas ou mude de profissional. Eu diria também, para não buscar milagres por que o melhor tratamento somente o médico saberá te informar e o mais importante, não é do dia para a noite, muitas vezes, sequer em um mês.

Eu tentei TANTOS tratamentos, como disse anteriormente inclusive aliado aos indicados pelos médicos. Eu também sempre fui sincera, se era um produto com valor alto eu dizia que não tinha como adquirir. Esse fato é tão verídico que eu só fui tomar Roacutan quando foi liberado pelo SUS.

E o procedimento de solicitação do SUS foi muito rápido, porque minha médica já tinha um relatório completo de todos os tratamentos feitos anteriormente. Eu lembro que na minha primeira “coleta do Roacutan” no SUS, o atendente ao me entregar me disse: daqui uns meses você estará sem nada, este tratamento realmente funciona. Eu não tinha falado nada para ele, mas na condição de atendente ele me disse que via o resultado nas pessoas que faziam tratamento.

Também acho válido lembrar, que causa certo temor ouvir a palavra Roacutan. Sim eu tive medo, assim como, quando usava produtos tópicos eu tinha reações. Como todo medicamento é passível de reações, no meu caso, por sorte, eu não tive nada, nada, nada. Vale lembrar para mulheres existe a obrigatoriedade de uso de anticoncepcional e eu usei o Yaz. O máximo que eu tive foi um leve ressecamento nos lábios que era amenizado com o uso da pomada Bepantol. De acordo com a minha dermatologista o meu caso foi atípico.

Hoje em dia, livre da acne “grave”, eu uso um ácido mais leve, tipo em gel e com dias de descanso. Também tomo anticoncepcional, uso sabonete específico e protetor solar, com acompanhamento médico. Passei a gostar de maquiagem agora, na fase adulta. Acho que somente agora eu me sinto confortável com minha pele. Mesmo assim, não gosto de nada pesado. Eu uso BB Cream ou protetor solar com cor e me sinto extremamente confortável. Eu não gosto de base com alta cobertura. Gosto dos produtos leves por que acho que confere uniformização natural, mas sei que é uma questão de gosto.

Espero ter ajudado. E você, está em tratamento? Quer conversar? Lembre-se de manter a calma que para tudo há solução. E sempre siga a orientação médica. Nunca é demais lembrar, em tempo, que esta é a minha história e experiência, podendo a sua, ser completamente diferente ou similar.

Have a sunshine Day!

4 comentários sobre “Acne: minha história parte 1

    • Oie
      Hahahah, jura?! Nossa eu tinha pavor de Roacutan. Eu lembro que quando lançaram e era carésimo minha mãe m.o.r.r.i.a de medo, tinham muitas “lendas urbanas”, digamos assim!
      Minha médica foi bem bacana em aceitar essa condição “tanto emocional quanto financeira”, só que chegou num ponto após uns seis/sete anos de tratamento que ficou inviável não seguir essa linha, ainda mais com a possibilidade “free” do SUS. Não tinha outra saída sabe?! E meu pelo SUS não tem como errar, eles são super corretos e tem cem milhões de regras, termos etc…
      E contigo tá tudo bem?
      Obrigada pela participação. Sei que você é mega ocupado, fico feliz, espero de coração que o tratamento dê tudo certo!
      Beijos

  1. Oiie
    Tenho 15 anos, e no meu caso espinhas começaram a dar por voltas dos 12 anos, no começo eram apenas espinhas pequenas na testa , não achei que fosse passar disso. Minha familia toda teve praticamente! eu começei a espreme-las,meu irmão tbm tinha. Ele passo a usar acnase , eu usei algumas vezes mais confesso que não gostei, achei agressivo demais a pele depois de um tempo que fiquei sem usar, parece que voltava com mais força ainda (pra mim) . Depois de um tempo, como se não bastasse na testa passou a dar na bochecha (que por sinal é a area mais afetada e marcada por tal hoje). As pessoas me olhavam de um jeito eu me sentia mal ( acontece até hoje ), parecia que eu tava com um doença, eu sempre mt sensivel então chorava, chegava da escola ia pro quarto chorar por causa das piadinhas … que faziam . Até que um dia eu não aguentei! A pessoa tinha a cara de pau de chegar em mim e falar : ” Nuss vc ta com espinhas hein” Eu só escutava das pessoas que ia passsar era só uma fase, blá blá blá… no começo eu até relevava mais depois de um tempo eu começei a me revoltar. PRA VC VER COMO ISSO AFETAVA ATÉ O HUMOR, E A AUTO- ESTIMA…! Pois bem , depois de mt implorar pro meu pai , eu tive esperanças de começar um tratamento , foi mt dificil pq ninguem se tocava de como eu tava mal, cara eu tava meio que depressiva com isso já, e querendo ir na dermatologista logo, eu surtei chorei desesperadamente, convenci meu pai de uma vez , eu tava mal pakas … Quando eu começei foi mt doloroso, durou isso uns 5-6 meses , então eu parei, meu pai não me levou mais lá. Minha pele hoje continua com mts espinhas mais acredito que logo acaba de vez, o jeito no meu caso por enquanto é ter paciência. E aí no meio disso tudo vi a profissão que quero pra mim ”Esteticista” e assim lidar com esses problemas qe afligem tanto as pessoas.
    Tô estudando nisso ja´, e disso que eu passei e passo vou tirar como um ” estimulo ” para estudar mais e mais sobre a pele.

    E pra vcs espero que não se desesperem como eu , procurem não se estresar demais isso só faz mal pra pele, só piora! Beijuss ; )

    • Oi Jéssica tudo bem
      Desculpas mas nao entendi voce desistiu do tratamento? Essas coisas demoram a acontecer por conta das dosagens entende; cada corpo reage de uma maneira a um medicamento, é super complicado. Além disso é importante manter as idas e exames ao ginecologista em dia, não é um caminho curto, na verdade, temos uma longa batalha pela frente. Depois de anos tive que retornar á dermatologista e iniciamos uma nova fase de tratamento por conta de questões hormonais, na verdade, a ginecologista nova me receitou uma pílula anticoncepcional que no meu caso só agravou o problema da acne, tpm, e assim por diante. Então decidi mudar de dermatologista e ginecologista, o novo ginecologista me receitou novamente a Yasmim e vou ter que refazer todos os exames para ele ter um real panorama dos cistos etc. E a nova dermatologista mudou minha vida inteira, desde sabonete, protetor, creme tópico e medicamento oral por que não tem outra maneira de curar o problema de agora. Daqui uns quatro meses faço um novo post pois estou no primeiro mês do “re-tratamento”. Ah, quem tomou Roacutan uma vez não toma novamente de acordo com esta dermatologista, se você morar em São Paulo eu te passo o contato dela, fica em Moema.
      Bom é isso, se quiser desabafar por aqui fique a vontade, entre na fan page. Este mês estou um pouco off do blog por que foi um “susto” de último hora tudo que passei no último mês então estou meio na surdina, mas se precisar não hesite. Beijos flor, te cuida

Comente aqui. Comentários considerados de natureza agressiva não serão aceitos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s